quinta-feira, 6 de agosto de 2009

MANUEL,EU TAMBÉM VOU!


Vou-me embora pra Pasárgada
Deitar embaixo das árvores
Ao lado do Manuel Bandeira
E de sua mulata faceira.

Vou-me embora pra Pasárgada
Caçar a tal da existência aventureira
E inconsequente...quero ser feliz por lá,
Na terra boa onde se cultiva alegria.
Eu vou-me embora,lá estou segura,
O Manuel é amigo do rei,e não me há
de negar nada lá.

Tem riacho pra se banhar,
Tem fruta do conde,
Tem alcalóide à vontade...
Lá se pode voar!
Vou-me embora pro "campo dos persas"
Vou viver liberta!
Lá tem licor à vontade,
Histórias de Sherazade
E sereias a cantar.

Tem silêncio quando se quer
Lá não vou pensar na morte,
De sorte que terei a companhia
Que eu quiser-o Manuel é amigo
Do rei,e não me há de negar.

Em Pasárgada os cigarros
Brotam das árvores
E não se adoece se fumar.
Pigarro,catarro e cirrose
São apenas palavrões por lá.
Vou-me embora com o Manuel
pra Pasárgada;lá se pode ficar.

Não há peste,nem doença,
nem tumor;lá só há reggae,
dança e tambor.
Se enche a pança de fruta-do-conde
e melancia.
Lá tudo se planta,tudo se cria,
e tudo se divide;até as mulheres
e os príncipes que o rei dá.
Lá é Shangrilá!

Tem gente que pinta o corpo
E usa véu pra enfeitar,
até se anda nu,se quiser,
-lá não há ciúmes!
Se planta obus,tem pau-brasil
e fruta-do-conde.
Vou-me embora com o Manuel pra Pasárgada,
onde se brinca de esconde-esconde
feito criança,não há doença
e toda gente descansa debaixo das árvores
ou em cima das camas.

Tem tribo indígena,tem rock
E canções de Chico Buarque;
Tem Caetano,Chico César
e tem Lenine.
Lá a existência é uma aventura,
aqui eu não sou feliz!

Vou-me embora contigo,amigo Manuel,
Vamos à tua Pasárgada.
Comer peixe com uvas e usar véu.
Lá você escolhe as mulheres,e os mancebos
você pede ao rei que me dê.
Lá a gente mata a sede em águas cristalinas
e ouve histórias da mãe-d'água.
Você pede umas canas ao rei pra gente fazer caldo
e caju pra gente chupar.
Lá a vida é ganha!Lá eu posso rimar.

Vamos embora pra Pasárgada.
Mas na estrada,a gente passa na Rua do Curvelo
Para abençoar tua casa,que foi nela que você
Lembrou da existência do paraíso que é
a terra do tal "autor grego".
Corre,Manuel,vamos logo pra lá!
Lá a bandeira é de paz,
Lá podemos sonhar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário