sexta-feira, 7 de agosto de 2009

A QUEDA DAS FOLHAS DE PAPEL






Não apanhei nada do que caiu
Tudo o que caiu foi-se no ar,
E tudo o que eu via se ía
Do teto ao chão,
Da bancada à poça,
Sem aviso,sem pestanejar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário